Al Di Lá

Você se lembra do filme Candelabro Italiano?

sexta-feira, 25 de abril de 2008

Sputnik


No finzinho da década de cinqüenta reinavam no nosso mundo turfístico, como melhores parelheiros, os cavalos Foguinho, tostado, do Seu Jacinto e o Suez, um malacara do Aldirinho da Minda. Os outros, eram os outros... Estes, não... Estes davam sota e basto e, quando corriam, muita luz nos adversários. Foi nesse tempo que o Herculano inventa de se associar com o João e o Manoel Rodrigues, na compra de um cavalo zaino, lá do Povo Novo, rebatizado de Sputnik, tudo num bem engendrado plano para dar fim ao favoritismo dos dois melhores que havia nas canchas, até então. Tratadores a postos, controle de peso dos jóqueis, tudo nos conformes, acertaram uma penca na cancha reta da granja do Seu Joaquim, lá nas Capoeiras. Deixa estar, que os proprietários do Sputnik, contrataram como jóquei para a esperada corrida, o Luis da Filhota, daqui da cidade - mas operando com um sucesso enorme nas canchas de Jaguarão e Rio Branco, já há um rol de anos - tido como um dos melhores da região. Como nestas bandas não vigora o costume de realizar a corrida grande às duas horas, e em sendo primavera, à época do desafio, com dia ainda curto, a largada se daria lá pelas quatro, quatro e pouco do relógio. Pois, o trio de proprietários, encabeçado pelo Herculano, resolve dar um doping no zaino, horas antes, para garantir vitória. Vindo de Pelotas, o Major, um alarifaço que sempre andava por estas canchas, estuda o animal e as reações da picada que levara. A achando que ele assimilara bem a dose, resolve dar outra injeção. Deixá-lo pronto para enfrentar a reta dos trezentos metros. Já no partidor, foi uma luta a largada, dada a inquietação do Sputnik para se parar na caixa e, subida a fita, já na arrancada, ele destrilhou, cego, cego, em direção a uma corticeira que havia hás uns cinqüenta metros, para o lado da pista, se pranchando no segundo andar dos galhos da árvore. E lá ficou. De cima do cavalo, tiraram o Luis da Filhota, de olhos fechados e enroscado como mulita quando se defende do perigo. No desfecho, o jóquei foi levado para a Santa Casa e atendido pelo Dr. Karan. Esquecidos do destino do Foguinho e do Suez, os donos do Sputnik, dada a broma, caminhavam nervosos pelo corredor do hospital à espera de uma boa notícia, já que tudo poderia redundar numa vítima na pessoa do jóquei. Foi quando, aberta a porta do ambulatório pelo Irineu enfermeiro, o Herculano pergunta: - Como ele tá? Tá bem o Luis? Óia, diz o Irineu, o susto passou com o calmante que o doutor deu. Já está desenroladinho e teso em cima da maca, mas não entrem agora que vocês vão se arrepender... Tá um cheiro... Tá horrívi lá dentro...

Nenhum comentário:

Marcadores